Número total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de abril de 2009

FONTES terá sido a freguesia com maiores dificuldades diante do desajustado PDM

Ressalta desde logo o elevado índice de dispersão da população ao longo dos 28 km2 da sua área, registada já no Censos de 1991, exactamente de 48,2 % quando a média do concelho se cifrava nos 9,7 %. Todavia o PDM de 1995 nada fez para articular as povoações entre si.
É a freguesia mais distante da sede do concelho: 25 km!
Tem o maior índice de envelhecimento: 264,5 % enquanto a média do concelho é de 184,1 %.
Perdeu 133 habitantes na faixa dos 0 aos 14 anos e perdeu 308 na faixa dos 15 aos 65 anos.
TEVE A MAIOR TAXA de PERDA de POPULAÇÃO: 34,8 % entre 1991 e 2001.
FONTES é bem a prova de que o PDM foi um desastre completo.
Com outro PDM mais flexível poderia fazer valorizar 7,5 km2 do seu território ( a quarta parte da sua área como freguesia de povoados dispersos) adaptando-o às potencialidades com que toda a gente sabe molhar a boca, (desenvolvimento e turismo), mas que no segredo dos gabinetes tudo bloqueiam e aniquilam.
O turismo rural e urbanismo rural e as quintas, um desenvolvimento sustentado e assente em bases autóctones afinal não têm as ferramentas necessárias dentro do quadro do ordenamento local.
As populações detentoras da posse das suas terras ficaram desapossadas, mais pobres e abandonadas à sua sorte, quando um quarto da área da sua freguesia, segundo preços aferidos no mercado imobiliário, valeria cerca de 900 milhões de euros.
Isto é, cerca de 7,5 km2 ( apenas um quarto da área da freguesia) libertada para uma utilização virada para as pessoas e para o desenvolvimento dos seus habitantes tradicionais, era tudo o que esse PDM não preparou, nem quem o elaborou quis levar isso em conta.
Puro egoísmo sectário e uma encenação maquiavélica, de que quis ter uma cidade forte, sem cuidar de que a força estava nas suas freguesias e na albufeira. É triste ver, como estes 15 anos se perderam, inutilmente.
Nada há que possa servir às gentes das Fontes e de tantas outras freguesias que sofreram com o mesmo PDM sectário, feito por teóricos de gabinete, cínicos, preconceituosos e cruéis.
ANTES do PDM a relação de preço dos terrenos(agro-florestais), susceptíveis de várias transformações agrícolas, mesmo que tivessem uma casa anexa, diante da sua estrada confinante, em relação aos terrenos na periferia da cidade era de 1 para 2. Na cidade valiam o dobro.
Actualmente varia de 1 para 100 ou para 120 vezes mais!
O preço do m2 nas Fontes ronda o 1 € por m2 e na periferia da cidade é de 80 a 120 € por m2.
Gostaria de saber se os professores que se fizeram autarcas, não acham revoltante esta situação, se lhes batesse à porta, ou lhes afectasse o seu estatuto de carreira ou a dupla reforma a que almejam...
Fontes sofre da maior DISPERSÃO de populações. Isso atacava-se permitindo maiores perímetros aedificandi nos intervalos de uma povoação para a outra. Mas não foi isso o que o PDM veio colmatar.
É preciso que isto seja dito bem alto e repetido muitas vezes mais.

CDS APROVA 40 COLIGAÇÕES AUTÁRQUICAS

O Conselho Nacional do CDS-PP aprovou esta terça-feira, com sete abstenções, 40 coligações autárquicas com o PSD e uma com o PPM, anunciou o coordenador autárquico, Hélder Amaral, que disse esperar "ter mais candidaturas autónomas" nas próximas eleições.
No final da reunião, Hélder Amaral disse que a prioridade do partido para as autárquicas de 2009 é "concorrer a mais municípios, ter mais candidaturas autónomas" do que nas anteriores. Em 2005, o CDS-PP concorreu a 251 dos 308 municípios, sendo que em 60 concelhos concorreu em coligação com o PSD, disse. As coligações com o PSD fazem-se "onde for útil para o concelho, para o PSD e para o CDS-PP", disse, adiantando que será convocado um segundo Conselho Nacional para aprovar um outro pacote de coligações.


CDS com Público on-line

quarta-feira, 29 de abril de 2009

O enleio da meada, chamado Etar dos Carochos, veio mostrar como a vereadora dita responsável não tem capacidade para gerir os serviços...Fora o resto!

Numa nota de reportagem da Antena Livre (hoje às 12 horas), a Vereadora confessou coisas inacreditáveis:
1- A etar nunca funcionou;
2- A etar acabou por nunca ter sido recebida pela CMA, (e pagou ou não a obra e até quanto?!... Eis um aspecto ainda omisso nos esclarecimentos até agora conhecidos, o que nos faz esperar o pior...), o que levou a firma construtora a meter uma acção em Tribunal há dez anos atrás;
3 - Logo, os SMA ao terem deixado os esgotos a correrem para aquele "espaço" estiveram há 15 anos a usar um "equipamento" ilegalmente, porque não era seu e se recusaram a recebê-lo o que agrava a reincidência criminal.
4- Tão pouco, servia como expediente da posse por usucapião, porque entre outras questões havia a acção judicial interposta há dez anos, pela firma empreiteira dessa obra, que anulava a posse indevida;
5- Antes nunca esteve prevista a utilização de uma etar compacta - portátil - o que desmente qualquer preocupação quanto a este problema sobejamente conhecido, pelo menos desde há dez anos;
6- Estranha-se a total omissão da parceira gestora, a Abrantaqua, em todo este processo;
7- Surpreende a revelação, um pouco a despropósito, feita pela vereadora Céu Albuquerque a essa rádio, de que a dita etar compacta - portátil - seria uma solução futura para muitos outros casos que ocorram no concelho, o que nos faz admitir, que há muitos mais casos por aí, prestes a revelarem-se preocupantes;
8- Pelo uso indevido e danificação da dita etar dos Carochos, mesmo tomando em linha de conta, o simples atravessamento das descargas dos esgotos tal qual saíam do colector, que a CMA e os SMA assumem ter praticado, quanto é que isso nos poderá custar se a empresa empreiteira decidir pedir a competente indemnização, pela utilização indevida e destruição da obra, que a Câmara diz não ser sua, mas sim da firma empreiteira?!
9- Quanto ao investimento da nova etar para inicialmente para 2.500 utentes e que já se viu "alargada" de boca, para 5.000 utentes, como confessou a vereadora, indo ao encontro do que antes, o ABRANTES POPULAR alertara, não visava tanto os actuais habitantes, mas sim os futuros habitantes dos prédios previstos (e ainda não construídos, sublinhe-se) nas urbanizações adjacentes (a ex-urbanização municipal dos 200 fogos da Colina do Tejo, fronteira ao Estádio Municipal e ao Terminal Rodoviário e uma urbanização suspensa no próprio Vale dos Carochos) , o que não deixa de ser caricato, nuns SMA que não atendem aos casos presentes e prementes, optando por fantasiarem para o que há-de vir;
10- Em todo o caso, nunca será demais lembrá-lo, o presidente do executivo municipal de Abrantes durante estes últimos 15 anos foi SEMPRE NELSON de CARVALHO!
QUE DEUS NOS PROTEJA!

ADESÃO DO CDS-PP AO PPE APROVADA “POR UNANIMIDADE E ACLAMAÇÃO”

Paulo Portas anunciou que o CDS-PP vai voltar a pertencer ao Partido Popular Europeu (PPE).
O pedido de adesão dos democratas-cristãos portugueses foi aprovado esta quarta-feira, “por unanimidade e aclamação” no congresso desta família política, que está a decorrer em Varsóvia.
“Hoje no congresso do PPE, que junta todos os grandes partidos da União Europeia de matriz democrata-cristã, de centro-direita e da direita democrática, o CDS formalizou o seu pedido de adesão a esta grande família política, que foi aprovado de uma forma muito simpática por unanimidade e aclamação”, afirmou Paulo Portas.O líder democrata-cristão frisou que, com esta adesão ao PPE, o “CDS reforça as suas relações internacionais e as suas parcerias com forças políticas que são governo ou pretendem ser governo na Europa e são responsáveis por décadas de prosperidade na Europa”.O CDS já trabalhava muito proximamente com o grupo parlamentar do PPE e, no mandato de José Ribeiro e Castro, tinha aderido à União Democrática Internacional, a federação dos partidos conservadores e democratas-cristãos a nível mundial.“Este é o partido que reúne ao nível europeu, com todo o respeito pela autonomia nacional, as forças que consideram que uma sociedade é tanto mais próspera quanto for mais livre e que não é o socialismo, nem a estatização, nem a nacionalização à custa do contribuinte que resolve os problemas da economia”, salientou Paulo Portas. O presidente do CDS-PP recordou que “os partidos conservadores e democratas-cristãos na Europa ajudaram muito o CDS no início da democracia portuguesa”. “Não só foram favoráveis à adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia como apoiaram muito fortemente o estabelecimento da democracia em Portugal, num momento em que houve uma luta entre uma tentação para um novo regime ditatorial e o estabelecimento de uma democracia livre”, sublinhou. Paulo Portas frisou ainda que o programa do PPE para as eleições europeias defende a supervisão e regulação da economia, uma política fiscal amiga da família, a utilização dos recursos naturais na política agrícola e uma política de controlo dos fluxos migratórios. A votação foi ao início da tarde no Congresso do PPE, no qual participa também o PSD, até agora o único partido português que integrava o Partido Popular Europeu. O CDS-PP regressa ao PPE como membro de pleno direito 17 anos depois de ter abandonado esta família política, em 1992, sob a liderança de Manuel Monteiro e devido ao Tratado de Maastricht.
O pedido de adesão foi negociado em Bruxelas pelo eurodeputado e vice-presidente do CDS Luís Queiró. Desta família política europeia, fazem ainda parte, entre outros, o PP espanhol, a UMP francesa, a CDU e CSU alemãs.


CDS com Público on-line

CDS ANUNCIA INTERPELAÇÃO AO GOVERNO SOBRE SITUAÇÃO DAS PME´S

O CDS-PP requereu esta quarta-feira, uma interpelação ao Governo no Parlamento sobre política económica e em particular sobre a situação das pequenas e médias empresas, visando avaliar “se a política tem sido de efectivo apoio ou apenas de propaganda”.

“É esta a altura de avaliar a política do Governo e em especial a do ministério da Economia. Avaliar se tem sido de facto uma política de apoio às micro, pequenas e médias empresas, ou se tem sido apenas de propaganda”, considera o líder parlamentar.
Diogo Feio disse que pretende confrontar o Governo com “um conjunto de perguntas” sobre o “montante do crédito concedido às empresas por parte da Caixa Geral de Depósitos”, sobre “o impacto dos avales do Estado no crédito que é concedido” e sobre matéria fiscal.

A bancada do CDS-PP irá questionar o Governo sobre as “futuras linhas de crédito” e os requisitos para lhes aceder.

“É preciso perceber se as futuras linhas de crédito para as empresas vão permitir a renegociação da dívida dessas empresas e se o Governo pretende manter um conjunto de requisitos que dificulta o acesso a essas linhas”, disse Diogo Feio.

O deputado frisou que para aceder às linhas de crédito, as empresas “necessitam de não ter prejuízos nos três anos anteriores”, o que, frisou, “é muito difícil neste tempo de crise e para as empresas em início de actividade”.

Na área fiscal, Diogo Feio considerou que os actuais pagamentos por conta e pagamentos especiais por conta “estão a criar imensos problemas de liquidez” às pequenas e médias empresas “porque acaba por ser superior à actividade da empresa”.

Por outro lado, Diogo Feio disse ainda que irá questionar o Governo sobre se “nesta altura de crise pretende manter a necessidade de pedir uma garantia bancária quando o contribuinte pede um reembolso do IVA superior a mil euros”.

Diogo Feio disse que o CDS-PP poderá apresentar uma proposta para alterar aquela regra, frisando que “em altura de crise, os bancos dificilmente concedem essas garantias bancárias”, ficando por isso os contribuintes prejudicados. A data da interpelação deverá ser decidida quinta-feira em conferência de líderes parlamentares.

CDS com D.D.

PAULO PORTAS DIZ QUE BLOCO CENTRAL É «TENTAÇÃO» PARA PS E PSD

Paulo Portas, afirmou esta terça-feira, em Castelo Branco, que a ideia do Bloco Central é «muito atractivo» para o PS e para o PSD, mas recusa pronunciar-se sobre coligações.


«Independentemente dos líderes, a tentação do bloco central é sempre atractivo para o PSD e para o PS, porque há muitas matérias em que os dois partidos se entendem, votam juntos e estão muito presos em interesses na administração em Portugal», afirmou o líder do CDS-PP, à margem de uma visita à feira da Nossa Senhora de Mércules, em Castelo Branco.

Escusando-se a dizer se estaria ou não disposto a uma coligação com o PSD, Paulo Portas afirmou que essa não é a sua agenda. «Eu tenho a minha agenda e neste momento o meu interesse é mostrar as diferenças entre o CDS e os outros partidos», acrescentou.


(www.cds.pt)

Matilde Lino Netto de Pádua, economista, é Candidata à Assembleia Municipal pelo ABRANTES POPULAR

MATILDE LINO NETTO PÁDUA, 62 anos, economista, é natural de Rio de Moinhos e filha do Dr. Manuel Pádua Ramos, que teve consultório médico nessa freguesia e radiologista no Hospital de Abrantes.
É actualmente, sócia-gerente de uma empresa de Administração de Condomínios e tem residência em Casa Branca, freguesia de Alvega.


É neta do Fundador da Associação de Regantes de Alvega, criada em 1936, António Lino Netto.

É também vice-presidente da Associação Santa Paula Frassinetti (Irmãs Doroteias).

Com laços familiares por várias freguesias de Abrantes e do Gavião, a Drª Matilde Netto Pádua dispôs-se a aderir empenhadamente na Candidatura Abrantes Popular do CDS/PP para colocar muito do seu saber, da sua sensibilidade social e da sua vasta e longa experiência a favor das causas que animam esta candidatura a cujo programa vem dando especial colaboração.

A Candidatura Abrantes Popular não pode deixar de se congratular pelo exemplo e a valia que esta adesão traz à candidatura, pois trata-se de mais uma ilustre abrantina que sem experiência política anterior, sentiu ser seu dever empenhar-se de forma activa pela cidadania do seu concelho de Abrantes e confiou no projecto do CDS/PP.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Este executivo municipal nem sabe comprar um penico!


O anúncio de que os SMA iam adquirir uma etar compacta ( um equipamento portátil em poliester, capaz de servir até 1.200 utentes, para abreviar explicações técnicas) e assim apresentarem o caso como uma solução de génios, mais vincou toda a incompetência que tem reinado naquele executivo municipal, que se estendeu aos SMA, à vereadora responsável dos SMA e que por fatalidade também é responsável pelo Ambiente e pela entidade inter-municipal de análise das águas de consumo, o que nos deixa a todos perplexos.
Também merece um reparo, a constituição em Janeiro de 2007 de uma parceria com a Abrantaqua. É que face a tão atribulados procedimentos e a tão fraco apoio técnico ou sanitário, não encontramos justificação para a existência de semelhante parceria, a não ser para forçar aos custos de água e serviços ao dobro do que se pratica nos concelhos da Lezíria, como já demos conta.
Desde a divulgação pública deste caso, e pensando nestes últimos dez anos, um longo tempo em que a etar não funcionou, não podemos aceitar que o nosso concelho possa ser governado por um executivo tão incompetente e tão criminoso ( houve crime ambiental).
Tal como o Abrantes Popular desde sempre alertara a nova etar, anunciada há dias e agora dada como suspensa, visava no fundo, servir os futuros moradores dos prédios de duas urbanizações cujos prédios ainda não se começaram a construir. É a própria vereadora quem confirma que actualmente os utentes são apenas 600 e os 2.500 só depois de construídas essas duas novas urbanizações ( Vale dos Carochos e Colina do Tejo).
Deixando agora de lado a hipótese de em tempo oportuno já se ter podido executar o desvio do esgoto de mais de uma centena de moradias no alto do Barro Vermelho via Encosta da Barata ( sob o viaduto da Avª das Forças Armadas) o que teria ainda facilitado muito mais a solução de uma etar compacta, observe-se pois, algumas das justificações apresentadas pela CMA:
«A informação, confirmada à Agência Lusa pela vereadora Céu Albuquerque, foi já comunicada à Administração da Região Hidrográfica do Tejo (ARHT), estrutura descentralizada do Ministério do Ambiente que, após um alerta da estrutura concelhia do Bloco de Esquerda, efectuou em Março uma inspecção ao local, tendo considerado que o facto da ETAR dos Carochos verter directamente e sem tratamento para o Tejo era "insustentável".A ARHT oficiou a Câmara de Abrantes, dando um prazo de 20 dias para esta apresentar uma proposta de solução, constando no relatório da inspecção, a que a Lusa teve acesso, a "situação de abandono" em que a ETAR dos Carochos se encontra, "denotando um avançado estado de degradação".A responsável pelo pelouro do Ambiente da Câmara de Abrantes afirmou à agência Lusa que a resposta ao ofício "seguiu de forma atempada" e que as soluções apresentadas à ARHT passam pela "instalação imediata de uma ETAR compacta, que dará o devido tratamento ao efluente, enquanto não se constrói uma nova ETAR no local.»"Esta ETAR compacta é um sistema que confere uma resposta imediata ao problema, uma vez que é adquirida já feita, completa e pronta a instalar no local pretendido", afirmou."Com a construção da nova ETAR, que estava prevista para 2010, mas cujos prazos vamos tentar antecipar, este sistema será retirado e utilizado para outro aglomerado populacional que necessite de ser servido por um sistema semelhante", acrescentou a autarca.Céu Albuquerque disse, também, qie "atendendo a que é uma zona de crescimento e expansão da cidade, a futura ETAR dos Carochos terá uma capacidade de tratamento para um aglomerado populacional de 2.500 a 5.000 pessoas, contra as actuais 600, de forma a poder acolher os efluentes das novas urbanizações que estão a ser construídas no local".A vereadora explicou que as anomalias verificadas na ETAR dos Carochos, "a menor das três que servem a cidade", devem-se a um "processo judicial que se arrasta há dez anos", entre o município e a empresa construtora."Esta acção decorre do facto da Câmara de Abrantes se ter recusado a aceitar a empreitada -- instalação de equipamento -, uma vez que não correspondia ao que era exigido em caderno de concurso, tendo encetado um processo litigioso que ainda hoje decorre", afirmou.Segundo disse, a futura ETAR "será construída ao lado da actual, de modo a aproveitar a conduta de transporte de efluentes e não aumentar mais os custos de instalação".
É caso para dizer, para tão rica poupança, demorou demasiado Srª Vereadora!
(http://abrantes-popular.blogspot.com)

O desvelo da Câmara reforçada com notícias de arrebatamento nos media, só põe a nú o desprezo pelos abrantinos.

Só num concelho minado pela contra-informação virada para o enlevo da incompetência e da mediocridade, se tolera o relevo dado a um agrupamento de 700 visitantes, que correram a provas de vinho e a serões culturais preparados para o efeito e que beneficiaram de infra-estruturas de acolhimento muito próprias, especialmente construídas para o seu grupo, contrariando o princípio da universalidade da utilização das benfeitorias municipais.
Estranha-se pois, que um executivo socialista ainda fale orgulhosamente, de uma actividade que ao passar por Abrantes, não ocupou um único quarto de hotel, nem usou os cafés e os restaurantes com a expressão económica devida a outro qualquer grupo de 700 visitantes. O autocaravanismo é sinónimo de auto-suficiência nos meios utilizados, comida e dormida. Logo, não traz aquele rasto de consumo tão necessário à sustentabilidade dos parceiros económicos e turísticos de um concelho.
.
A peça jornalística ainda se permite focar nesse evento, que o mesmo decorre do investimento efectuado pela autarquia num projecto de acolhimento para autocaravanistas, com a criação de estações de serviço e estações de pernoita, que “colocaram Abrantes na rota internacional do turismo itinerante”, segundo disse à Lusa a vereadora responsável pelo Turismo. O delírio puro!
Estranhamente, nem o jornalista quis perguntar qual o benefício mais palpável para os contribuintes municipais, (não fosse a vereadora não estar à altura de saber responder...), nem a vereadora na sua candura perdulária parou para pensar e avaliar o conteúdo cínico das suas palavras.Céu Albuquerque afirmou que a autarquia teve a “percepção” de que a cidade estava na rota de entrada de autocaravanas da Europa, “sobretudo em direcção à grande Lisboa”, pelo que desenvolveu um projecto de acolhimento com a colocação de mapas com postos de interesse turístico na região e folhetos específicos, disponibilizando estacionamento próprio no centro histórico da cidade e assegurando a manutenção das estações de serviço e de pernoita.“Ter hoje aqui cerca de 300 autocaravanas e mais de 700 autocaravanistas é um número bastante satisfatório e muito importante do ponto de vista de promoção do concelho, dos produtos locais, como o mel, o vinho, o azeite e do seu potencial turístico e patrimonial”, afirmou a responsável.
Já agora, importava saber onde foram criadas pela autarquia as instalações para vender o mel, o vinho e o azeite, sendo certo, que no Aquapolis no sítio mais nobre do parque, ficou instalado uma dita "estação de serviço" para os caravanistas despejarem os dejectos das suas latrinas e procederem a outras lavagens, o que não é propriamente, algo que abone a favor da estética e do bom gosto dos autarcas responsáveis. Por muitas omissões contidas no Projecto Aquapolis, os 20 milhões de euros ali gastos, nunca poderiam permitir no seu espaço central uma estação de lavagens e limpezas de autocaravanas, mandando o decoro e o bom gosto, que tais tarefas se processassem em local mais recatado.
.Ruy Figueiredo, presidente do Clube Português de Autocaravanas, disse hoje à agência Lusa que “as pessoas estão encantadas com os sítios que têm visitado”, sublinhando que as “provas de vinhos, passeios de barco pelas albufeiras, visita ao património histórico e patrimonial e excursões a vários locais do concelho, e ainda serões culturais dinamizados por grupos da região e colóquios sobre esta modalidade itinerante”.
.
E aqui, importa perguntar onde estão os últimos 700 munícipes a quem a Câmara Municipal proporcionou outro lote de visitas semelhante, neste mesmo concelho, fora de períodos eleitorais, bem entendido...
Nomeadamente, quantas vezes os autocarros municipais servem para levarem os munícipes a eventos nas freguesias vizinhas, - a preços apelativos, sendo certo, que uma viagem no autocarro da Câmara pode custar a uma associação local, numa viagem de ida e volta ao Porto ou a Lisboa, qualqurer coisa como 600 euros, apenas 100 euros mais barato do que o custo de uma transportadora comercial, o que faz admitir que os autocarros da Câmara podem não estar a cumprir uma missão social, pelo menos para alguns dos grupos de fregueses excluídos.
.
Porque uma dessas missões sociais seria o de estimular o convívio e a dinamização do nosso vasto espaço municipal, cada vez mais ameaçado pela desertificação e onde há fregueses que nunca visitaram a maior parte das restantes freguesias do concelho. E é neste quadro, que choca verificar como o mesmo munícipio que equipa tão zelosamente as estruturas para o autocaravanismo, não é capaz de proporcionar aos seus o inter-câmbio sócio-cultural dentro do próprio concelho, de freguesia para freguesia.Esta incompetência do executivo municipal sai muito caro ao município. E está a ameaçar o futuro dos nossos filhos e netos. Coisas muito mais importantes que 700 anónimos autocaravanistas num fim de semana.
Porque no fim de contas é com o dinheiro dos munícipes que se pagam essas benesses, que acabam por não servirem a todos.

(http://abrantes-popular.blogspot.com)

Maior contenção da Vereadora do Turismo sobre as auto caravanas, só mostrava mais respeito pelos milhares de abrantinos que trabalham fora...

Quem viaja em auto-caravana é auto suficiente. Abastece-se no seu ponto de partida com os alimentos que por regra confecciona na caravana. O facto de poder trazer um gerador já os torna suspeitos quanto ao bom ambiente, suscitando ainda alguma suspeita se depositam ou não todos os lixos nos ecopontos e nas fossas indicadas para o efeito.

Sabe-se, que os caravanistas não são propriamente o melhor exemplo de bons consumidores. Não vale a pena usar de eufemismos quanto a isso.

Portanto, ao passar a notícia por todos os meios de comunicação, de que 300 autocaravanas estiveram este fim de semana em Abrantes, 60 das quais estrangeiras, num total de 700 pessoas, serviu mais para a vereadora candidata do PS dar nas vistas, com entrevistas, e pouco mais.

Basta pensarmos que dessas 700 pessoas, nenhuma procurou um quarto de hotel ou de pensão, talvez nem procurassem mesmo as pastelarias ou os cafés para tomarem os pequenos almoços e quanto a almoços e jantares em restaurantes, em princípio nada houve a assinalar de significativo. Logo o retorno económico foi quase nulo. E os comerciantes locais sabem disso.
Consequentemente, tudo quanto se falou e disse sobre o assunto foi pura demagogia e mero aproveitamento político.
Muitos mais abrantinos chegam todos fins de semana ao concelho depois de uma semana ou de um mês a trabalharem fora de Abrantes, sem que nenhum orgão de comunicação social faça eco dessa sua constante vinda à terra e do que mais gostariam de ver feito e acarinhado pelas suas freguesias.

Um simples festival de folclore pode trazer a uma freguesia do concelho mais de 3 mil pessoas num fim de semana. Não consta que a Câmara disponibilize autocarros para reforço dos transportes mais necessários entre fregueses vizinhos do concelho ou que dê os apoios suficientes que essas iniciativas merecem. Aí sim há movimento de massas e há muito consumo directo nos estabelecimentos do concelho..
O Abrantes Popular não pode deixar de sublinhar que as entrevistas em que se desdobrou a vereadora candidata, não ajudou em nada ao desenvolvimento do Turismo Local. Pelo contrário, até a predispôs a algum ridículo e a uma manifesta insensibilidade perante as dificuldades e o abandono sofridos pelos munícipes.



(http://abrantes-popular.blogspot.com)

domingo, 26 de abril de 2009

CANONIZAÇÃO: PAULO PORTAS DESTACA "DIMENSÃO DE PATRIOTISMO" DO CONDESTÁVEL

O líder do CDS-PP destacou em Roma "a dimensão de patriotismo" de D. Nuno Álvares Pereira, o Condestável, a par da sua importância religiosa e ética, valores que sustentam a sua canonização no próximo domingo, no Vaticano.

Paulo Portas, que se encontra em Roma para participar nas cerimónias da canonização, afirmou que D. Nuno Álvares Pereira tem uma "dimensão religiosa" devido à sua fé, mas também "uma dimensão ética que é também contemporânea", numa referencia à circunstância de o Condestável se ter despojado de "todas as honrarias" ainda em vida.

Na opinião do líder centrista, na figura do Condestável "há também uma dimensão de patriotismo, até porque foi general do exército" português "pelo qual obteve vitórias essenciais para a independência nacional".
Por isso, salientou, "é um santo e um herói".

"Como eu acho que o patriotismo não é um valor em desuso na actualidade, estou aqui porque gosto e porque tenho muito empenho", acrescentou.

"Portugal não teria existido enquanto Estado independente se não tivesse algumas figuras da nossa história como o Condestável", mas "obviamente a canonização é um primeiro lugar uma celebração de natureza espiritual e religiosa, mas este acontecimento é inseparável da história de Portugal", declarou.

Paulo Portas escusou-se a comentar a ausência, notada, de elementos do Governo português, com excepção do ministro dos Negócios Estrangeiros.

"Sei que fiz o que a minha consciência me determinou, até porque uma canonização se calhar não acontece na vida mais de que uma vez. E eu, acontecesse o que acontecesse em Portugal, garanto que hoje estaria em Roma", assumiu Portas.

CDS

O 25 de ABRIL não impediu em ABRANTES a sobranceria e o desinteresse do executivo destes professores...

O Lúdico no Enriquecimento EscolarLúdico é a forma de desenvolver a criatividade, os conhecimentos, raciocínio de uma criança através de jogos, música, dança, mímica.O intuito é educar, ensinar, se divertindo e interagindo com os outros, tornando qualquer aprendizado leve e descontraído.
Esta é a melhor definição do conceito de lúdico, segundo uma instituição idónea.
.
Há dias a candidata à Junta de Alferrarede, Dora Caldeira, (PSD) , veio denunciar as ditas aulas das Actividades do Enriquecimento Escolar, dizendo isto no blog do PSD:
«A Câmara, recorde-se, contratou algumas empresas para assegurarem a tal "Escola a tempo inteiro", mas não revelou qualquer preocupação em saber se as mesmas reuniam qualidades e certificações para proporcionarem aos alunos verdadeiras aprendizagens e saberes. Afinal, a única preocupação que teve foi com o orçamento que cada uma apresentou (quanto mais baixo, melhor) e ocupar, de qualquer maneira, repito, de qualquer maneira, estas crianças.
.Tem sido um rol de verdadeiras "trapalhadas" estas aulas, onde sobretudo os extras abundam. Com efeito, algumas das pessoas contratadas pelas empresas não tem qualquer formação pedagógica, nem qualquer conhecimento do currículo e da disciplina que têm que leccionar. Ou seja, podem ser professores dos nossos alunos qualquer um que apareça a dizer que está disponível para passar um tempo com as crianças».
.
Eu, como candidato à Câmara pelo CDS/PP, não posso no entanto, de deixar de assinalar mérito nesta denúncia feita pela candidata à Junta de Alferrarede, donde o facto de concorrer pelo PSD não lhe retira valor. Nada mais grato, para quem como eu que foi um militar do 25 de Abril de 1974, poder ao fim de 35 anos dar prova do que era o "VERDADEIRO SENTIDO de LIBERDADE", nesse mesmo dia. Hoje dispenso-me de comentar o que por aí se festeja...
LAMENTO, é que na candidatura do PSD ninguém mais tenha pegado em tão nobre causa, como é a educação das nossas crianças. Ao invés, já lá encontrei foi autênticas barbaridades contra as crianças, escritas, ainda por cima, por um professor.
.
Tudo quanto hoje aqui foi escrito sobre o tema da educação infantil e a colocação dos despachos do presidente da Câmara de 23/9/2008, mostrou como não houve o necessário carinho e a devida valorização das acções a empreender para garantir que as nossas crianças iriam mesmo ter os melhores programas de "Enriquecimento Escolar".
Afinal de contas, são as nossas crianças, o garante do futuro do concelho. Para elas tudo pelo melhor, é - e será sempre - a divisa do ABRANTES POPULAR.
Pelo exposto nos "post" abaixo, se percebe quanto o Abrantes Popular está disposto a avançar no Enriquecimento Escolar.
O travão pela precipitação na "venda" com perda de 250 mil euros, por parte da autarquia, nuns terrenos para a Mitsubishi no Tramagal e o repúdio por obras perdulárias, como o Jardim das Borboletas (150 mil euros), a estátua das Cidades Imaginárias (270 mil euros) e outras mais, mostra bem o rigor e a dignidade que o Abrantes Popular quer fazer regressar à vida municipal.
MAIS: A solução das Actividades do Enriquecimento Escolar passariam sempre pela intervenção do corpo docente local e pelas raízes culturais autóctones, - escolas de música, bandas locais, grupos de teatro e dança, ranchos folclóricos, docentes credenciados, animadores culturais, desportistas, organizados em cooperativas de ensino ou noutro meio de associação. Seriam sempre os actores de intervenção preferencial - sem perder de vista a qualidade da valorização e da inovação que tanto necessitam de serem canalizadas para a estratégia de competitividade do concelho.
SEMEAR para COLHER!
João B. Pico

O 25 de Abril gerou em Abrantes o executivo com mais professores, mas não cuidaram bem do ensino e dos alunos

Da acta da Sessão de Câmara de 23/9/2008
.Nº 14 – Para conhecimento, o Presidente da Câmara, apresenta o Relatório Finalrespeitante ao Concurso Público para Prestação de Serviços para a Realização de Actividades de Enriquecimento Curricular - Ensino da Música – Escolas do Concelho de Abrantes, o qual informa (...) a intenção de adjudicação à firma Lúdico Ideias – Eventos Desportivos Unipessoal, Lda., a execução das aulas do Ensino da Música para o ano lectivo 2008/2009, pelo valor de €118.030,00, (cento e dezoito mil e trinta euros), sendo que este valor corresponde a 12,49 € x 9 450 aulas...
.Nº15 – Para conhecimento, o Presidente da Câmara, apresenta o Relatório Finalrespeitante ao Concurso Público para Prestação de Serviços para a Realização de Actividades de Enriquecimento Curricular - Ensino do Inglês – Escolas do Concelho de Abrantes, o qual informa (...) a intenção de adjudicação à firma J.G.N.R. Organização de Eventos e Projectos Educativos, a execução das aulas do Ensino do Inglês para o ano lectivo 2008/2009, pelo valor de € 95.049,00, sendo que este valor corresponde a 11,80 € x 8 055 aulas...
.Nº 16 – Para conhecimento, o Presidente da Câmara, apresenta o Relatório Finalrespeitante ao Concurso Público para Prestação de Serviços para a Realização de Actividades de Enriquecimento Curricular – Actividade Física Desportiva – Escolas do Concelho de Abrantes, o qual informa (...) a adjudicação à firma Lúdico Ideias – Eventos Desportivos Unipessoal, Lda., a execução das aulas de actividade Física e Desportiva para o ano lectivo 2008/2009, pelo valor de €118.030,00, sendo que este valor corresponde a 12,49 x 9 450 aulas.
.
O ABRANTES POPULAR comunga da preocupação de todos os pais por saber se estas adjudicações "pelas propostas mais vantajosas" tiveram em conta a valia pedagógica e lúdica mais estimável e aconselhável para as nossas crianças.

O LÚDICO no enriquecimento escolar

Alguém definia o Lúdico como a forma de desenvolver a criatividade, os conhecimentos, raciocinio de uma crianca através de jogos, música, dança, mímica.O intuito é educar, ensinar, se divertindo e interagindo com os outros, tornando qualquer aprendizado leve e descontraido.

Foi a candidata do PSD à Junta de Alferrarede quem abordou o tema pela primeira vez, e neste aspecto, não tenho nenhuma relutância em mencionar esse facto, que já vinha sendo discutido no seio do ABRANTES POPULAR.

Curiosamente, foi a nossa candidata, Drª. Vera Santos, que integra a lista à Assembleia de Freguesia de Alferrarede pelo CDS/PP, quem nos deixou algumas pistas na abordagem do problema.

Disse a candidata do PSD, Dora Caldeira, "que a Câmara, recorde-se, contratou algumas empresas para assegurarem a tal «Escola a tempo inteiro», mas não revelou qualquer preocupação em saber se as mesmas reuniam qualidades e certificações para proporcionarem aos alunos verdadeiras aprendizagens e saberes. Afinal, a única preocupação que teve foi com o orçamento que cada uma apresentou (quanto mais baixo, melhor) e ocupar, de qualquer maneira, repito, de qualquer maneira, estas crianças".
.
Temo que ela tenha razão, infelizmente o digo, olhando na perspectiva dos malefícios da aprendizagem das nossas crianças. Lendo a acta da Sessão de Câmara de 14/10/2008 apenas ficámos a saber que foram duas empresas, as escolhidas e pelo montante global de cerca de 270 mil euros, para ministrarem as aulas de inglês (JNGR) e as aulas de Música e Actividades Desportivas / a Lúdico-Ideias).E prosseguiu a candidata do PSD:"Tem sido um rol de verdadeiras «trapalhadas» estas aulas, onde algumas das pessoas contratadas pelas empresas não tem qualquer formação pedagógica, nem qualquer conhecimento do currículo e da disciplina que têm que leccionar. Ou seja, podem ser professores dos nossos alunos qualquer um que apareça a dizer que está disponível para passar um tempo com as crianças".Vera Santos, como educadora de infância fez uma abordagem ao problema como especialista de ensino infantil que é, que concordo inteiramente, quando diz:

- «A meu ver, tem de haver qualidade, a qualidade é de facto, uma palavra-chave! Se não houver qualidade, certamente que não haverá aprendizagem por parte das crianças! Então, essas actividades significam, sim, um mero passar de tempo e consequentemente, não trarão benefícios, nem desenvolvimento plural. As pessoas contratadas devem ter habilitação ou formação pedagógica para leccionar, seja música, inglês, ou qualquer outra área.

Com tantos professores no desemprego, porquê colocar pessoas sem habilitação específica?

Penso que a este nível, há uma necessidade patente de inovar e repensar a qualidade da Educação, porque as crianças que temos hoje, serão os adultos de amanhã!

Deverá haver uma articulação coerente entre o currículo nuclear e as actividades de enriquecimento, com profissionais de qualidade!

Estamos em período de crise, mas uma Educação de qualidade deve estar em primeiro plano e, deve ser uma das principais apostas!».

sexta-feira, 24 de abril de 2009

CDS ESPERA MELHORAR VOTAÇÃO NAS PRÓXIMAS EUROPEIAS

O CDS-PP entregou esta sexta-feira, no Tribunal Constitucional a sua lista às europeias de 7 de Junho e disse que espera manter os dois eurodeputados que elegeu nas anteriores eleições e, se possível, aumentar esse número.

Por outro lado, depois da entrega da lista no Tribunal Constitucional, o cabeça-de-lista do CDS-PP, Nuno Melo, defendeu que as europeias vão ser "umas primárias à governação, que não tem feito muito bem ao país".

O mandatário da candidatura do CDS-PP, o antigo deputado e dirigente do partido António Pires de Lima, por sua vez, considerou que "Nuno Melo pode marcar pelo seu estilo uma diferença importante em relação aos outros candidatos, que cheiram em muitos casos a políticos mais carreiristas".

Nuno Melo disse que o objectivo do CDS-PP é conseguir "um resultado bom" nas europeias de 7 de Junho e "um pontapé de saída para todas as outras eleições que se seguirão". Questionado sobre o que entende ser "um bom resultado", respondeu que "um bom resultado para o CDS nas eleições europeias será, desde logo, uma votação equivalente ou superior à de outras eleições".

Depois de assinalar que este ano Portugal vai eleger 22 eurodeputados, menos dois do que os actuais 24, Nuno Melo acrescentou: "Espero que o CDS possa manter os deputados europeus que tem e, se possível, aumentar os deputados europeus que tem".

Nuno Melo alegou que
"o CDS vive um momento de afirmação justo", resultante da "boa oposição que tem feito" ao Governo, o que poderá favorecer o partido nas eleições europeias, que na sua opinião serão "umas primárias à governação".

O deputado do CDS-PP prometeu debater durante a campanha "questões nacionais e questões europeias" e reiterou o desafio feito ao cabeça-de-lista do PS, Vital Moreira, para um debate sobre agricultura.

Nas eleições europeias de 2004 o partido concorreu coligado com o PSD e juntos elegeram nove eurodeputados, dois dos quais indicados pelo CDS-PP. Nas anteriores europeias, de 1999, o CDS-PP elegeu dois eurodeputados.


(http://www.cds.pt/)

ÁGUAS do RIBATEJO têm um preço e ABRANTES tem outro a dobrar...

Ainda assim, esses preços a metade de Abrantes sofreram aumentos recentes, os quais, estão a CAUSAR MUITA REVOLTA nos seis concelhos da LEZÍRIA.

A Águas do Ribatejo, garantiu recentemente o financiamento comunitário no valor de 42 milhões de euros do Fundo de Coesão para investir nos sistemas de abastecimento de água e de saneamento básico até 2015.

ABRANTES fez um contrato com a Abrantáqua para esta lhe receber e gerir as receitas dos consumidores, enquanto os SMA continuam a manter os cargos de administração, o que mais agravam ainda os custos de exploração.

Alguém percebe estas coisas?!

Eis o novo tarifário das ÁGUAS do RIBATEJO - (seis municípios da Lezíria: Chamusca, Alpiarça, Almeirim, Salvaterra de Magos, Benavente e Coruche)

Consumidores domésticos:
1º escalão (0 a 5 metros cúbicos) – 0,25 euros/m3; Abrantes: 0,47/m3, (só de 0 a 3 m3)

2º escalão (6 a 15 m3) – 0,57 euros/m3; Abrantes: 0,75 até 10 m3

3º escalão (16 a 25 m3) – 0,95 euros/m3; Abrantes: 1,35 até 20 m3

4º escalão (26 a 50 m3) – 1,50 euros/m3; Abrantes: + de 20 m3 a 1,74€



NOTA:

1- A vermelho os preços a "DOBRAR" em ABRANTES, com a agravante dos escalões abrantinos comportarem sempre menos 2 a 5 m3 no escalão inferior, que sendo mais barato, só aliviava a conta ao consumidor.

2- As taxas de disponibilidade, ex-aluguer de contador e as outras, incidindo sobre preços unitários ou parcelas mais altos acabam necessariamente, mais agravadas.
ABRANTES POPULAR propõe baixar até 50 % o preço da água, com toda a legitimidade.


(http://abrantes-popular.blogspot.com)

PAULO PORTAS CONDENA TURNOS COM CINCO AGENTES POLICIAIS

O líder do CDS-PP, Paulo Portas, condenou esta sexta-feira o facto de existirem «apenas cinco ou seis polícias» por turno para conseguirem «providenciar e garantir» a segurança das pessoas e dos bens.

Após ter visitado a esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) na Cova da Piedade, em Almada, Paulo Portas adiantou que em quatro freguesias (Laranjeiro, Feijó, Pragal e Cova da Piedade) com cerca de 80 mil habitantes existem cinco ou seis polícias para «conseguir providenciar e garantir por um lado a segurança das pessoas e dos bens por outro o combate à delinquência».

Perante os «erros de política de segurança», o líder centrista questionou: «Digam-me se é possível numa zona urbana com mais de 80 mil habitantes ter turnos com cinco ou seis polícias para poder garantir o direito constitucional – o direito à segurança – que hoje cada vez mais é uma condição da nossa liberdade».

Perante este cenário prometeu: «a minha primeira prioridade, caso os portugueses me dêem força como eu peço e espero, é tornar imediatamente regra o julgamento em 48 horas dos crimes praticados em flagrante delito».

Paulo Portas considera «inacreditável» que em Portugal sejam apanhados criminosos em flagrante delito, que sejam presentes a tribunal, que sejam postos em liberdade e que «umas horas ou dias depois voltem a cometer os mesmos crimes».

E justifica que «quando se trata de gente mais nova – se não há o sentido da justiça com alguma rapidez – o próximo crime que é cometido é mais grave e mais violento».

«Esta é a realidade da falta de justiça, portanto, é preciso mudar rapidamente a lei nesta matéria», acrescentou.

O líder dos democratas-cristãos acusa o governo de estar a fazer política de segurança «amadora», uma vez «não se sabe» onde foram cometidos 85 por cento dos crimes graves.

«Neste momento o Estado não sabe onde foram cometidos 85 por cento dos crimes graves e violentos», repudia.

Paulo Portas reflecte: «Se esta política permite que não haja identificação dos locais dos crimes e se queremos, efectivamente, ter no terreno uma política de combate a essa criminalidade, é naturalmente, preciso saber onde foram cometidos os crimes e que grupos estão associados aos crimes».

Para que seja possível ter um «dispositivo correcto» e poder «agir preventivamente» no sentido de actuar com «severidade» quando for necessário é preciso conhecer os «dados exactos» da criminalidade, garantiu o líder do CDS/PP.

Paulo Portas falava à comunicação social e revelou que o distrito de Setúbal é o caso «mais sério» na questão da insegurança e que revela um «caso sério» do ponto de vista do emprego.

«O país vai a caminho, infelizmente, do meio milhão de desempregados, já estão 32 mil imigrantes inscritos como desempregados, no entanto, este governo continua a admitir todos os dias novos imigrantes».

«O que é que nós estamos a prometer a essas pessoas? O desemprego? A exclusão? O caminho para a violência?», deixou a questão para o primeiro-ministro.


(www.cds.pt)

Provedor de Justiça

O CDS-PP anunciou esta quinta-feira, que não irá apresentar candidato ao cargo de Provedor de Justiça, dando “total liberdade” aos seus deputados em relação ao sentido de voto na eleição que irá decorrer até 15 de Maio.

“O grupo parlamentar do CDS não apresentará qualquer personalidade a votos”, anunciou o líder parlamentar do CDS-PP, Diogo Feio.

Sublinhando que os democratas-cristãos entendem que a escolha do sucessor de Nascimento Rodrigues “não passa por soluções de ‘clubite’ partidária”, Diogo Feio adiantou ainda que os deputados do grupo parlamentar do CDS-PP “terão total liberdade em relação àquele que seja o seu sentido de voto”.


Diogo Feio lembrou igualmente que “em devido tempo” o CDS-PP propôs que a eleição do novo Provedor de Justiça fosse resolvida através de consenso”, com a mediação do Presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, porque “a ideia de confronto não leva a resultado nenhum”.


Contudo, como tal proposta não mereceu o acolhimento dos restantes partidos, o CDS-PP não irá apresentar qualquer candidato.

“A opção tomada foi, neste momento, uma outra. Discordamos dela. Entendemos que a forma de resolver o problema da escolha do Provedor de Justiça não passa por soluções de ‘clubite’ partidária, passa por se encontrar um nome que seja comum”, salientou.

Por isso, acrescentou, “o grupo parlamentar do CDS não apresentará qualquer personalidade a votos”, e dará “total liberdade em relação àquele que seja o seu sentido de voto” aos deputados democratas-cristãos.


CDS com Público on-line

VIII Proposta Abrantes Popular

VIII PROPOSTA: EIXO NORTE DA CIDADE AO CARVALHAL.

CARVALHAL é o eixo de salvação do NORTE, desde Martinchel e Aldeia de Mato, ao Souto e às Fontes.

Bastando para tanto, resolver seis questões:

1ª - Alcatroamento e revitalização do acesso Alto da Senhora da Luz, Paúl, Vale da Cerejeira, E.N. 358 a poente do CARVALHAL, como o grande eixo rodoviário da cidade ao Norte do concelho, complementado com o prolongamento no acesso de proximidade à Senhora do Tojo, à Atalaia, ao Carril, às Sentieiras, às Fontes, Maxiais e Água das Casas / Matagosa;

2ª - Suspensão do PDM (fora dos limites do POACB) por via da "declaração do interesse público" face à perda de mais de 30 % da população, assinalada no Censos de 2001;

3ª - Acções de sensibilização na abertura de caminhos rurais, limpeza de matas, mobilização de terrenos com aptidão agrícola e plantio de olival apoiadas fortemente pelos eleitos locais (juntas de freguesia e câmara);

4ª - Polo Oficinal, Artesanal e Florestal para fixação de micro-empresas junto à E.N. 358 no Carvalhal e à nova via do Vale da Cerejeira, complementado com um Posto dos Bombeiros com centro de acção de formação e campo de treinamento incorporado;

5ª - Reformulação de toda a rede de saneamento e sistemas de tratamento de esgotos, colocando-os em sistema de tratamento terciário, por forma a poder deixar de contaminar a albufeira do Castelo de Bode;

6ª - Fazer um planeamento integrado de todas as aptidões turísticas das margens da albufeira e colocar todo o Norte do concelho no percurso de proximidade da vivência da cidade e dos turistas que a procuram e a visitam, dentro de uma prespectiva apelativa do turismo de lazer com forte carga ecológica, náutica e rural.

A UNANIMIDADE do PS e do PSD quanto ao ENCERRAMENTO de ESCOLAS.

AGORA os fregueses e os munícipes que vejam qual é então a diferença de fazer política a pensar nas pessoas (PS) ou a de fazer política (PSD) com as pessoas.E digam lá o que sobra para o FUTURO e para as Crianças!.

As escolas do 1º ciclo de Fontes e Souto, deverão encerrar no próximo ano lectivo devido à escassez de alunos, parecer que mereceu a unanimidade do PS e PSD na reunião de Câmara de 31/03/09.

As crianças dessas localidades passam a ter aulas no Centro Escolar de Carvalhal.

Está também prevista a extinção dos jardins de infância de Bicas e Pucariça.


No caso de Bicas, as crianças passarão a frequentar o jardim de infância de São Miguel do Rio Torto. As de Pucariça transitam para Rio de Moinhos.Já no caso do Brunheirinho, apesar do jardim de infância ter igualmente um reduzido número de utentes, o seu encerramento só se deverá verificar após estar concluído o novo centro escolar da Bemposta, que vai albergar os alunos dessa freguesia e da de São Facundo.


Entretanto, será oportuno lembrar que em Maio de 2001 o presidente da Junta de Carvalhal, António Lourenço, responsabilizava o PDM pelo impedimento à fixação nos últimos seis anos de pelo menos 30 JOVENS CASAIS na freguesia, aspecto preocupante, quando se admite que a Escola Infantil do Carvalhal poderá ter que fechar dentro de um ano, por escassez de crianças. Logo, o Centro Escolar de Carvalhal agora em obras de requalificação, mesmo com as poucas crianças das Fontes e do Souto poderá não escapar à ameaça de ENCERRAMENTO, por motivos da crescente e generalizada escassez de crianças.

PS e PSD andam a esconder verdades e a estorvar soluções!

PAULO PORTAS: "O FACTO DE JOSÉ SÓCRATES JÁ NÃO SER CAPAZ, NÃO QUER DIZER QUE PORTUGAL NÃO SEJA CAPAZ"

O líder do CDS/PP, Paulo Portas, citou as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal para defender que "a recessão é muito mais profunda do que o previsto" e vai criar "uma situação de emergência social".

Paulo Portas afirmou porém que "o facto de José Sócrates já não ser capaz, não quer dizer que Portugal não seja capaz" e lembrou várias outras crises que o País enfrentou ao longo da sua história para recordar que "nunca foi derrotado, houve sempre uma reserva de coragem".

"Com a liderança e a organização devidas, os portugueses são obviamente capazes", acrescentou. Segundo o líder centrista, a previsão do Fundo Monetário Internacional feita ontem para Portugal aponta para um crescimento negativo superior a quatro por cento e um desemprego de mais de 11 por cento. "É uma recessão muito mais profunda do que o previsto", frisou Portas, para quem "é bom que o primeiro-ministro perceba que num país com mil novos desempregados por dia a urgência vai para os jovens que perdem o posto de trabalho e casais em que ambos estão no desemprego".
Paulo Portas, que falava quarta-feira, num jantar-debate, promovido pela Associação Comercial do Porto, falou ainda pela primeira vez sobre a reivindicação de várias forças vivas do Norte para a autonomização do Aeroporto Francisco Sá Carneiro em relação à ANA e ao Aeroporto de Lisboa.
"Sim", respondeu Paulo Portas quando questionado por um empresário sobre a sua receptividade às reivindicações dos que defendem que o Sá Carneiro não deve ser "moeda de troca" para o financiamento do novo aeroporto de Lisboa e que deve ser alvo de uma gestão autónoma.
Na sua intervenção, o líder do CDS/PP reafirmou várias das suas críticas à actuação governamental, nomeadamente quando acusou José Sócrates de ser "praticamente o único primeiro-ministro da Europa que não usou a baixa de impostos para enfrentar a crise", apontando exemplos como os de Espanha e Alemanha.
"Se o pagamento especial por conta fosse reduzido, o IVA mais equitativo, o reembolso mais tempestivo e alguns impostos devolvidos à classe média e aos mais desfavorecidos, diminuiria significativamente a pressão sobre as pequenas e médias empresas", afirmou.
"São precisas empresas para gerar riqueza e emprego. Portugal já teve um PREC (Processo Revolucionário Em Curso, após o 25 de Abril de 1974), não precisa de outro", acrescentou. Portas criticou ainda a opção por grandes obras públicas, considerando que elas "só criam determinado tipo de emprego que em muitos casos nem é nacional".


Público on-line

CDS-PP CONDENA PROMOÇÃO DE OTELO RECORDANDO LIGAÇÃO À ORGANIZAÇÃO TERRORISTA FP-25

O líder do CDS-PP, Paulo Portas, condenou hoje a promoção do tenente-coronel Otelo Saraiva de Carvalho a coronel, considerando que a sua ligação ao 25 de Abril não apaga a ligação à “organização terrorista” FP-25.

“Quero, em nome do CDS, lamentar e expressar a minha condenação pelo facto de Otelo Saraiva de Carvalho ter sido promovido”, afirmou Paulo Portas, no Parlamento, numa reacção à promoção a coronel de Otelo Saraiva de Carvalho.

Considerando que “um Estado de direito não desculpabiliza a utilização do terrorismo”, o líder dos democratas-cristão recordou a ligação de Otelo Saraiva de Carvalho às FP-25, organização “responsável pela morte de 17 inocentes”.

“A sua ligação ao 25 de Abril não apaga a sua ligação às FP-25 de Abril que foram uma organização terrorista, como tal qualificada pelos tribunais portugueses, responsável pela morte de 17 inocentes”, sublinhou.
Questionado sobre como compara esta promoção com a promoção do coronel Jaime Neves a major-general, Paulo Portas escusou-se a fazer qualquer “equivalência de valores”, mas voltou a lembrar a ligação de Otelo Saraiva de Carvalho às “organização terrorista” FP-25.

“É uma posição frontal, porventura incómoda, mas é aquela que eu entendo que devo expressar. Jaime Neto também esteve ligado ao 25 de Abril e esteve ligado ao 25 de Novembro, a quem os democratas em Portugal devem o podermos pensar, falar e escrever em liberdade”, declarou.

Confrontado pela Lusa com o facto de Otelo Saraiva de Carvalho ter sido ilibado pelos tribunais no processo das FP-25, Paulo Portas não respondeu directamente, dizendo apenas: “em três anos, nunca assinei o papel”.

Paulo Portas foi ministro da Defesa dos Governos de maioria PSD/CDS-PP liderados por Durão Barroso e Pedro Santana Lopes, entre 2002 e 2005.



CDS com D.D.

CDS TEM DUVIDAS DO CONTRIBUTO DAS GRANDES OBRAS PÚBLICAS NA REDUÇÃO DO DESEMPREGO

O líder do CDS-PP, Paulo Portas, considera "preocupante" o aumento de 23,8 por cento dos desempregados e defende que o combate ao desemprego passa pela aposta nas micro, médias e pequenas empresas, desvalorizando as grandes obras públicas do Governo.

O presidente do CDS-PP referiu que "a política de emprego do governo é quase exclusivamente baseada nas grandes obras públicas".

"O que interessa perguntar é: quantos empregos e para que trabalhadores é que essas grandes obras vão gerar postos de trabalho?", questionou Paulo Portas. Na opinião do dirigente democrata-cristão, a redução do desemprego passa por uma "aposta radical nas micro, pequenas e médias empresas", que "garantem 90 por cento dos empregos". "Ou ajudamos as micro, pequenas e médias empresas ou não ajudamos a que haja manutenção e criação de novos postos de trabalho", defendeu. Para Paulo Portas, os números hoje revelados pelo IEFP demonstram que "a política de grandes obras do Governo é profundamente ilusória do ponto de vista do emprego e o que verdadeiramente interessa fazer é apoiar a sério as micro, pequenas e médias empresas, porque assim ajudamos os respectivos trabalhadores". O dirigente do CDS-PP citou um estudo da Associação Industrial Portuguesa que refere que o acesso ao crédito é a maior dificuldade para mais de metade das empresas. "A política do Governo de apoiar o acesso ao crédito das micro, pequenas e médias empresas está a chegar a muito poucas e as regras às vezes são absurdas", afirmou. O presidente do CDS-PP destacou ainda que "uma parte muito significativa" dos desempregados não tem acesso ao subsídio de desemprego, e defendeu "a necessidade de rever as regras", alegando que "a situação é excepcional". Face aos números hoje conhecidos, Paulo Portas referiu que se a tendência se mantiver, dentro de um mês Portugal "infelizmente ultrapassa a marca de meio milhão" de desempregados, o que representa um "défice social tremendo". Portas chamou ainda a atenção para o facto de ter voltado a subir o desemprego entre os jovens - atinge 67 mil pessoas com menos de 24 anos -, lamentando que, numa altura em que "estão a projectar sonhos de vida, a sociedade corta-lhes o acesso a um posto de trabalho". O líder democrata-cristão voltou ainda a alertar para a situação dos imigrantes, referindo que são já 32.500 os que estão inscritos nos centros de emprego. "Como é possível o Governo continuar a deixar entrar todos os dias novos imigrantes?", perguntou Paulo Portas, que defende que "quando o desemprego é alto, a política de imigração tem de ser mais controlada", sob pena de se prometer "a ilusão" e promover "a exclusão ou mesmo a delinquência". Segundo Paulo Portas, num ano, o número de imigrantes inscritos nos centros de emprego aumentou 60 por cento. "Querem continuar a fechar os olhos?", questionou.
Segundo os dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) divulgados, esta quinta-feira, o número de desempregados inscritos nos centros de emprego disparou 23,8 por cento em Março, face ao mesmo mês de 2008, prolongando a subida iniciada em Outubro e marcando o acréscimo mais elevado desde Setembro de 2003. De acordo com o IEFP, o número de desempregados inscritos no final do mês passado somava os 484.131, mais 93.105 inscrições do que em Março de 2008. Relativamente a Fevereiro, o número de inscritos aumentou 3,2 por cento, resultado de um acréscimo de 14.832 desempregados.



CDS com Público on-line

quarta-feira, 22 de abril de 2009

CDS DESAFIA GOVERNO A REVER CÓDIGO CONTRIBUTIVO E GOVERNO DIZ-SE DISPONÍVEL


O líder do CDS-PP desafiou durante o debate quinzenal na Assembleia da República, o primeiro-ministro a rever a tributação prevista para as Instituições Particulares de Solidariedade Social e a regra de tributação obrigatória de 20 por cento para comerciantes e agricultores.

Na resposta, José Sócrates, disse que o Governo está “disponível” para discutir com os parceiros sociais a entrada em vigor “faseada” do novo Código Contributivo, prevista para 01 de Outubro.

Paulo Portas centrou-se nas questões fiscais e confrontou José Sócrates, com um caso concreto de um empresário que está desde Janeiro à espera do reembolso de 70 mil euros, mas a quem o Estado exigiu uma garantia bancária para que esse mesmo reembolso fosse feito.

Mas, segundo o líder do CDS-PP, a garantia bancária não foi concedida ao empresário que, entretanto, entrou em incumprimento perante a Segurança Social, estando já a dever 13 mil euros. “Deve 13 mil euros ao Estado, mas o Estado deve-lhe 70 mil. O que deve fazer”, questionou Paulo Portas.

Face à ausência de uma resposta concreta de José Sócrates, replicou Paulo Portas dizendo que “o senhor não sabe o que significa em tempo de crise o atraso do Estado no reembolso do IVA”.

Outro tema, abordado no debate por Paulo Portas foi a recusa do Estado em ‘amnistiar’ os 120 mil contribuintes que não entregam no ano passado a declaração de rendimentos, a maioria pensionistas e reformados.

Ao primeiro-ministro, Portas pediu para que tenha “sensibilidade”, sugerindo que o Governo “dê-lhes um novo prazo” para entregarem a declaração de rendimentos, recordando que houve uma mudança de regras por parte do Estado, que criou a obrigação da entrega deste documento.

“Ninguém acha justo”, sublinhou, lembrando que está a ser exigida uma multa de 150 euros aos contribuintes “não por falharem o pagamento do impostos, mas apenas porque falharam a entrega de um papel” do qual não foram avisados pelo governo.


Nobel da Paz elogia Portugal por aposta nas renováveis.

Nobel da Paz elogia Portugal por aposta nas renováveis.
Embora a notícia não o dissesse ou já fosse apagada essa parte por algum "spin doctor", mas as BARRAGENS também são energias renováveis!
;
O presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas da ONU e prémio Nobel da Paz, Rajendra Pachauri, declarou hoje que "a humanidade está a aproximar-se do precipício" e que Portugal parece estar no bom caminho para o evitar.O galardoado com o Nobel da Paz juntamente com Al Gore em 2007 foi o orador da conferência "Alterações Climáticas e o Desafio do Desenvolvimento Sustentável", iniciativa no âmbito do Programa Futuro Sustentável, lançado em 2007 pelo Expresso e pelo BES.Segundo Rajendra Pachauri, "a humanidade está a aproximar-se do precipício" e se não mudar os passos cai nele.A capacidade dos ecossistemas e da sociedade conseguirem absorver a deterioração dos recursos naturais da Terra foi ultrapassada em meados dos anos 1980, assinalou o cientista, precisando que actualmente é excedida em 30% a capacidade de regeneração do planeta."Muito do que Portugal está a fazer pode ser uma inspiração para o resto do mundo", disse.
;
Todavia, ficou claro como se procurou retirar a observação sobre as energias renováveis das barragens nos rios...
Por ABRANTES, ainda há quem enalteça na Protecção Civil o facto de o açude ter descarregado bem a água que já atingia a cota 24, e lá ter ido rio abaixo até ao mar, sem esse alguém dar conta que se perdeu rio abaixo a água que produzia electricidade para várias semanas a iluminar as 19 freguesias de Abrantes!
;
Cada país tem a verdade que merece!
Nós estamos na cauda da Europa, em tudo!
(www.cds.pt)

NUNO MELO DESAFIA VITAL MOREIRA PARA DEBATER FUNDOS COMUNITÁRIOS PARA A AGRICULTURA

Nuno Melo, desafiou terça-feira, o candidato do PS a debater a aplicação dos fundos comunitários para a agricultura, acusando Vital Moreira de estar “muito afastado” da realidade do país.

O cabeça de lista do CDS-PP às europeias visitou a feira Alimentaria, que decorre na FIL de Lisboa, onde recordou as declarações do cabeça de lista do PS às eleições europeias na segunda-feira à noite sobre a aplicação dos fundos comunitários para a agricultura, quando Vital Moreira negou qualquer “desperdício” por parte do Governo.

Melo disse que: “tive oportunidade em debate de dizer ao doutor Vital Moreira como este Governo desperdiçou nos últimos dois anos 850 milhões de euros do PRODER que deveriam ter sido investidos na modernização da agricultura. O doutor Vital Moreira não reconheceu este número e, pelo contrário, tentou afirmar outra coisa”, lembrou.

Assim sendo, acrescentou ser importante que o candidato socialista esteja disposto para, num outro debate, e com as associações representativas do sector presentes, aceite “discutir a aplicação do PRODER e destes fundos que a União Europeia coloca à disposição de Portugal na agricultura e, perceba na reacção dos agricultores e nos argumentos que são apresentados, quem tem razão”.

“O doutor Vital Moreira apresentou uma argumentação que ninguém percebeu e que mostra como começa já muito afastado do que é a realidade do pais”, acrescentou o candidato do CDS-PP às eleições europeias de 07 de Junho.

CDS DIZ QUE SÓCRATES ESTÁ "PROFUNDAMENTE ESGOTADO" NÃO TEM SOLUÇÕES PARA A CRISE



Paulo Portas, acusou esta terça-feira, José Sócrates de estar "profundamente esgotado" quanto a soluções para enfrentar e acabar com a crise económica, ao manter a sua "obsessão" pelos investimentos em "grandes obras" esquecendo a segurança dos cidadãos.

O líder do CDS-PP, em reacção à entrevista, do primeiro-ministro na RTP, diz que Sócrates revelou estar "profundamente esgotado do ponto de vista de soluções", nomeadamente quanto aos prazos para superar a "situação económica difícil", não saindo “da obsessão do investimento… das grandes obras", criticou.

Segundo Paulo Portas, José Sócrates foi "lamentavelmente omisso" nas medidas de apoio às micro, pequenas e médias empresas, uma vez que "não é o Estado que vai criar magicamente empregos", sustentou, salientando a "indiferença" do chefe do Governo relativamente ao desemprego dos jovens.

O anunciado alargamento do subsídio social de desemprego a mais 15 mil pessoas, totalizando 65 mil, foi encarado por Paulo Portas como um "pequeno passo".

O líder do CDS-PP apontou "duas ausências" nesta entrevista do primeiro-ministro: a segurança e a criminalidade.

"Sobre a segurança nem uma linha nem um segundo", referiu Paulo Portas, enumerando uma outra "prioridade" para o partido que, a seu ver, foi esquecida: o "investimento produtivo em recursos naturais", nomeadamente na agricultura.

Questionado acerca dos "recados" lançados por José Sócrates ao Presidente da República, Paulo Portas frisou que os "órgãos de soberania são pessoas incondicionadas".

Sobre as insinuações de que o caso "Freeport" tem motivações políticas, o líder dos democratas-cristãos respondeu tratar-se de uma "confusão".

Provedor de Justiça

O líder do CDS-PP, insistiu novamente na mediação do presidente da Assembleia da República na escolha do novo Provedor de Justiça, escusando-se a revelar se o partido vai apresentar um candidato.

“O CDS foi muito claro há várias semanas sobre como é que o problema se podia resolver e devia resolver de forma ordenada e institucional”, afirmou Paulo Portas.

O CDS-PP defende que o presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, deve mediar a escolha do novo Provedor de Justiça, devendo os partidos entregar-lhe as suas propostas de nomes.

Depois, deve caber a Jaime Gama negociar entre todos um que reúna os dois terços mínimos para a eleição.
“Temos um método diferente”, insistiu o líder do CDS-PP, escusando-se igualmente a fazer qualquer comentário ao candidato anunciado terça-feira, pelos socialistas.

(www.cds.pt)

terça-feira, 21 de abril de 2009

Uma lista de confiança dos ABRANTINOS





COMPETE AO LÍDER GANHAR A CONFIANÇA,

DE TODOS OS ABRANTINOS,

MUITO PARA ALÉM,

DA LISTA DOS SEUS AMIGOS


NUNO MELO QUESTIONA "AUTENTICIDADE" DA LISTA DO PS ÀS EUROPEIAS E APRESENTA CARTÕES VERMELHOS

O cabeça de lista do CDS-PP, questionou o que diz ser a "autenticidade" da lista do PS às eleições europeias, por esta incluir duas candidatas que ao mesmo tempo vão concorrer a presidências de Câmara nas autárquicas.

O cabeça de lista do CDS-PP, questionou o que diz ser a "autenticidade" da lista do PS às eleições europeias, por esta incluir duas candidatas que ao mesmo tempo vão concorrer a presidências de Câmara nas autárquicas.

Nuno Melo aproveitou o primeiro debate entre os cabeças-de-lista às europeias de 7 de Junho, segunda-feira à noite na RTP para dizer, " que está em causa é um problema de autenticidade. É preciso saber quem é que, nas listas do PS, vai cumprir o seu mandato".

Assim sendo, Nuno Melo desafiou o número um do PS, Vital Moreira, a esclarecer concretamente os casos de Elisa Ferreira e Ana Gomes, candidatas simultaneamente a eurodeputadas e à presidência das autarquias do Porto e Sintra, respectivamente.

Segundo Nuno Melo, se as duas mulheres vencerem as autárquicas no Porto e em Sintra estará posta em causa, uma das grandes bandeiras do PS, que é a paridade nas listas eleitorais.

O candidato do CDS acusou mesmo que caso " a dra. Elisa Ferreira e dra. Ana Gomes forem eleitas no Porto e em Sintra e o PS eleger sete eurodeputados, só haverá uma mulher - Edite Estrela - e se elegerem 10 eurodeputados, haverá duas mulheres".

Nuno Melo aproveitou ainda o tema da crise para mostrar cartões vermelhos ao Governo, na agricultura, pensões, criminalidade violenta e educação .(carregue para ver)

(www.cds.pt)

CDS ESPERA ORÇAMENTO RECTIFICATIVO "MAIS CEDO OU MAIS TARDE"

O CDS-PP considera que os dados da execução orçamental relativos ao primeiro trimestre de 2009 demonstram claramente que as previsões do Governo "estão erradas" e que "mais tarde ou mais cedo" vai ter de aparecer um Orçamento Rectificativo.

Diogo Feio, recorda "foi o CDS o primeiro partido que avisou o actual Governo que isto ia suceder, fizemo-lo na discussão do orçamento, explicando que era impossível, numa situação de crise que se estava a instalar, manter uma carga fiscal muito grave", afirmou.

Para o líder parlamentar do CDS, "é necessária uma política de estímulo fiscal, que anime o poder de compra dos portugueses e a actividade empresarial", por isso os centristas dizem não compreender "que, perante estes dados, o Governo não modifique as suas políticas e não aceite uma baixa nos pagamentos por conta e especial por conta, que não aceite que o IVA tem de ser devolvido em 30 dias e não aceite o princípio de compensação de créditos entre empresas e Estado", defendeu.

Desta forma, Diogo Feio afirma que "é inaceitável" que o executivo não tenha modificado as tabelas de retenção na fonte do IRS para as classes mais desfavorecidas.

"Parece-nos mais do que evidente que as previsões estão erradas e, mais tarde ou mais cedo, vai ter de aparecer um Orçamento Rectificativo, continuamos sem saber quais os números reais do desemprego, quais os números do défice e qual a perspectiva que o Governo tem para poder sair desta situação de crise", defendeu.

As receitas fiscais baixaram 12,3 por cento no primeiro trimestre de 2009 relativamente ao mesmo período do ano passado, penalizadas pelo recuo de 20,3 por cento na cobrança de IVA.


www.cds.pt

CDS ACUSA SÃO "INJUSTAS E BUROCRÁTICAS" AS MULTAS DO ESTADO AOS CONTRIBUINTES QUE FALHARAM ENTREGA DECLARAÇÃO DO IRS

Paulo Portas considerou, esta terça-feira, “injusto e burocrático” o facto de o Estado não perdoar a multa aos cerca de 120 mil contribuintes que não entregaram a sua declaração de rendimentos, classificando mesmo como uma questão de sensibilidade.

O Presidente do CDS-PP diz que, “é injusto, é burocrático”, frisando mesmo ser “uma questão de sensibilidade”, lembrando estarmos perante um problema provocado pela “mudança de regras” por parte do Estado, que criou esta nova obrigação de entrega de declaração de rendimentos, mas não avisou da alteração.

Recorde-se que o Governo anunciou que não vai perdoar a multa aos cerca de 120 mil contribuintes que não entregaram no ano passado a declaração de rendimentos, a maioria pensionistas e reformados.

“Do ponto de vista da sensibilidade social isto não faz sentido nenhum”, insistiu, considerando que teria sido possível encontrar uma “solução justa”, tal como aconteceu com os trabalhadores independentes, porque não se trata de pessoas que “falharam impostos”, mas apenas “falharam um papel”, porque não sabiam da mudança de regras.

“Qualquer pessoa dotada de um sentido de solidariedade percebe que é muito injusto estar a pedir a mais de 100 mil pensionistas, que são pessoas que têm reformas de algumas magras centenas de euros, façam o favor de pagar uma multa de 150 euros não por terem falhado os impostos, mas por terem falhado um papel, e ainda por cima só falharam porque o Estado não avisou da mudança das regras”, reiterou Paulo Portas.

A maioria dos pensionitas multados têm rendimentos entre os sete mil e os oito mil euros, por ano. Ou seja, tem pensões na casa dos 500 euros mensais.

www.cds.pt

Eleições Europeias em Debate na RTP


O candidato às eleições europeias, Nuno Melo, esteve esta segunda-feira no programa televisivo da RTP1 “Prós e Contras”. Sob o tema “Eleições Europeias” foram a debate os candidatos das 5 listas com representação no parlamento europeu. Nuno Melo do CDS-PP, Paulo Rangel do PSD, Vital Moreira do PS, Miguel Portas do BE e Ilda Figueiredo do PCP.

Nuno Melo apresentou-se com um discurso coerente, trouxe a debate temas importantes e actuais fugindo ao debate inapropriado dos candidatos do PSD E PS que discutiam entre si questões de política interna dos seus partidos, quando o que estava em debate eram as questões europeias que preocupam os cidadãos portugueses.

A actual crise económica liderou o debate que ficou marcado por um discurso bastante deficiente de Vital Moreira, que muito à semelhança de José Sócrates nos debates quinzenais, as perguntas que eram feitas ao candidato do PS não eram de todo respondidas, ou argumentadas com um claro “regresso ao passado” ao tentar culpabilizar pela crise o governo de coligação PSD/CDS, ou argumentando ainda que a crise é Mundial e não nacional.
Nuno Melo argumentou de forma ajustada, questionando o candidato Vital Moreira se também era culpa da crise mundial a falta de supervisão aos bancos pelo Banco de Portugal.

O cabeça de lista do CDS referiu ainda no debate a presença de mulheres nas listas às europeias, criticando a composição da lista do PS encabeçada por Vital Moreira onde das mulheres que constituem a lista do partido socialista, duas são candidatas a presidente de câmara.

É importante fazer referência que da lista às eleições europeias do CDS-PP fazem parte 9 mulheres.

A Câmara de Abrantes mostra-se prepotente e grosseira numa contra-ordenação inqualificável.

FARMÁCIA SILVA 115 ANOS
Uma faixa alusiva ao aniversário histórico de uma farmácia a laboral há 115 anos no mesmo local, em vez das felicitações pela proeza, recebe uma notificação grosseira, persecutória e mesquinha do vice-presidente.


Assim se enxovalhou uma família que há três gerações soube manter erguido o mais antigo estabelecimento no Centro Histórico.

A Candidatura Abrantes Popular não podia deixar de manifestar o mais vigoroso repúdio por este atentado às mais elementares regras de civilidade, por esta postura indigna e vergonhosa que não pode deixar de ofender a sensibilidade, os sentimentos e os valores da civilização e da cidadania, tal qual a conhecemos no mundo livre e civilizado da Europa.

Em anexo a carta da resposta da Farmácia Silva à Câmara
Farmácia Silva, Lda.

Rua José Estêvão, nº1
2200 – 420 Abrantes
À Câmara Municipal de Abrantes
A/c Vereador e Vice-Presidente
João Carlos Pina da Costa
Praça Raimundo Soares2200 – 366 Abrantes

Assunto: Resposta à V/carta Processo contra-ordenação nº 59/09

Em resposta à V/ carta sobre um Processo de contra-ordenação, apraz-me dizer:No dia 1 de Abril de 2009 foi colocado na nossa fachada do prédio virada à Praça Raimundo José Soares Mendes uma facha amovível com a inscrição “Farmácia Silva 115 anos” alusiva à comemoração do aniversário desta tão distinta Instituição.
Segundo a vossa participação tal fachada encontra-se na freguesia de S. João no concelho de Abrantes, o que não corresponde à verdade, mas sim na Freguesia de S. Vicente, Rua José Estêvão, nº 1 no concelho de Abrantes.
O representante legal da firma não é o Dr. José Agostinho Leitão Ribeiro (Director Técnico), mas sim o Dr. Joaquim José Simões Ribeiro (Sócio-Gerente).
Não se trata a nosso ver de publicidade, mas sim informação aos cidadãos de que esta farmácia presta serviço neste concelho há pelo menos 115 anos, sendo provavelmente a entidade particular mais antiga desta cidade a laborar ainda nos dias de hoje.
Quando recebemos esta carta registada ainda pensámos que seria a Câmara a congratular -se e a dar-nos os parabéns pela dita idade. Até aos dias de hoje não o fez. Ou quem sabe a convidar-nos para receber alguma medalha de mérito da cidade, de ouro!
Mas não, era simplesmente para tentar punir quem trabalha, para apresentar coimas e tirar dividendos directa ou indirectamente.
Quanto ao pagar ou não pagar taxas, não se trata de publicidade, mas sim de um lençol amovível de informação preso por cordas, o qual se tira em qualquer momento ou instante.
Para além de que este ano, talvez por ser ano de eleições, a CMA isentou a publicidade no centro histórico da mesma, ou a farmácia não está no centro histórico?
Constato também que não foi necessário mais de um dia para os senhores reclamarem… assim agissem em todas as circunstâncias.
De qualquer forma informo também que a farmácia não é um estabelecimento comercial mas sim uma entidade prestadora de serviços que tem um regime próprio quanto à publicidade conforme descrito pelo INFARMED (está sob consulta no site www.infarmed.pt).
Não querendo entrar em conflitos e empobrecendo mais uma vez o centro histórico, vamos retirar a faixa dos 115 anos.

CDS contra Novo Estatuto Remuneratório da PSP

Nuno Magalhães manifestou esta segunda-feira a sua crescente preocupação com o estatuto remuneratório da PSP.

Segundo o Deputado, se já era preocupação suficiente saber que não havia meios humanos nem leis penais suficientemente fortes, há agora razões que levam a uma maior preocupação dado o Estado não estar a cumprir os compromissos assumidos com os polícias, o que está a dar lugar a uma enorme desmotivação dos mesmos, tendo em conta que o subsídio de risco, prometido pelo Estado, não está considerado no novo estatuto remuneratório da PSP.

O Vice-presidente da bancada parlamentar acusou ainda o Governo de permitir o envelhecimento da polícia ao não proceder a novas admissões nem melhorando condições, principalmente salariais, que motivem à candidatura de novos agentes, dizendo que “Temos uma polícia cada vez mais envelhecida, desmotivada e desautorizada”.

A água em Abrantes pode baixar para metade do preço como o CDS/PP defende!


Segundo o Mirante one lineTarifário criado pela Águas do Ribatejo gera reacções de desagradoAs primeiras reacções políticas ao novo tarifário de água e saneamento implementado pela Águas do Ribatejo já começaram a surgir nalguns dos concelhos da Lezíria do Tejo. O candidato do PS à Câmara de Salvaterra de Magos classifica os novos preços como “uma violência inaceitável”.O PSD de Coruche diz em comunicado que nesse concelho o aumento mínimo é de 20 por cento e responsabiliza o presidente da câmara, o socialista Dionísio Mendes, que pertence também à administração da Águas do Ribatejo.
A entrada em funcionamento da empresa intermunicipal que agrega seis municípios (Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche e Salvaterra de Magos) motivou a criação de um tarifário único nesses concelhos...
Em Salvaterra de Magos, presidência do Bloco de Esquerda, um consumo mensal de 10 metros cúbicos de água passa de 4,30 euros para 12,85 euros com a taxa de saneamento incluída.
Do PS ao PSD ninguém parece satisfeito com os tarifários. Mas o mais surpreendente, vem de Salvaterra de Magos e pela voz do candidato PS em razão de antes se pagarem 4,30 euros por 10 m3 e agora passar para 12,85 €. E vai mesmo mais longe, dizendo ser esse aumento "uma violência inaceitável"...
Enquanto isso, em Abrantes o PS por um consumo ZERO obriga os utentes a pagarem 9,20 euros, quatro vezes mais que os 2,37 € pelo consumo Zero e mais do dobro dos 4,30 € dos 10 m3 cúbicos, como antes se pagava em Salvaterra de Magos.
Em Abrantes, os 10 m3 obrigam ao pagamento de pelo menos 16,09 euros. O que sempre é muito mais do que os 12,50 euros agora em Salvaterra.
"UMA VIOLÊNCIA INACEITÁVEL" diz agora o candidato do PS à câmara de Salvaterra.
E o PSD de Coruche não lhe fica atrás...
PORÉM, o PS e o PSD de ABRANTES, já não acham violência nenhuma.
Dizem que fazem tudo para as pessoas. Incluindo - como se vê - a UNANIMIDADE na "violência inaceitável" que lhes andam a fazer...
"Violência inaceitável" é um termo usado por um candidato socialista em Salvaterra, quando a tarifa sobe de 4,30 para 12,50.
Então que dizer de Abrantes, há muito a pagar 16,09 euros por 10 m3, incluindo a taxa pelos esgotos que nunca existiram...
O ABRANTES POPULAR tem a SOLUÇÃO para acabar com esta e com outras "violências inaceitáveis", de todo!

(http://abrantes-popular.blogspot.com)

Será que a candidata do PS ainda teve tempo para trocar ideias com os moradores das BICAS sobre estas valas recheadas?!

Maria do Céu Albuquerque deixou, aos jovens da Associação das Bicas, no final, “o desafio da participação na construção deste projecto de governação municipal, para que possam senti-lo também como vosso”.
QUAL PROJECTO?!
O Projecto destes esgotos nas valetas?!
Falou nisto aos jovens e nem corou?!

Se o sol aqueceu pelas BICAS o cheiro ficou mais apurado...



A candidata também deixou o projecto dos passeios, a pensar nas pessoas e nos passeios nas Bicas?! Será que os fregueses das BICAS ainda embarcam nestas trocas de ideias, enquanto permanecerem as valetas cheias de esgotos?!

(http://abrantes-popular.blogspot.com/)






segunda-feira, 20 de abril de 2009

CDS COMBATERÁ INTENÇÃO DO GOVERNO DE AUMENTAR OS IMPOSTOS

O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, alertou este Domingo, no Funchal, que o Governo prepara-se para aumentar os impostos através do Código Contributivo, facto que será combatido pelo partido que pedirá ao Presidente da República para que trave esta intenção.

O Governo prepara-se para fazer um novo aumento generalizado de impostos, esse aumento está num documento chamado Código Contributivo, que é terrível para os comerciantes, para os agricultores e para as instituições particulares de solidariedade social”, denunciou Paulo Portas na sessão e encerramento do XII Congresso Regional do CDS-PP/M, que elegeu, pela quinta vez consecutiva, José Manuel Rodrigues presidente dos centristas madeirenses.

Paulo Portas garantiu que o CDS-PP “combaterá qualquer aumento de contribuições ou impostos numa altura tão difícil para a economia e com tanta crise social”.

“O CDS-PP dirá com toda a clareza – sublinhou – que aos comerciantes já basta a queda do consumo, não podem querer que paguem ainda mais contribuições, que aos agricultores já basta este ministro, que as instituições de solidariedade social devem concentrar os seus recursos nos pobres, nas crianças, nos doentes e nos idosos em vez de serem obrigadas a pagar mais contribuições ao Estado”, disse.

“Se o Governo mantiver a intenção de aumentar as contribuições dos agricultores, dos comerciantes e tributar ainda mais as instituições de solidariedade, o CDS pedirá ao Presidente da República que trave este código, que é uma sucessão de aumentos impostos”, declarou.

(www.cds.pt)

CDS tem "compromisso inexorável" de revisão da Lei de Finanças Regionais

Paulo Portas, garantiu este Domingo, no Funchal que o CDS-PP tem "um compromisso inexorável" de revisão da Lei de Finanças Regionais.

"Isto significa que o CDS-PP não aceita que a Madeira seja menos ou receba menos", referiu, o presidente do CDS no encerramento do XII Congresso Regional do partido na Madeira.

Recordou ainda que o CDS "por atitude, por perfil, por institucionalismo, não alimenta conflitos entre governos entre governos, o Governo da República tem de cumprir com esta região e o Governo Regional e o Governo da Republica estão, institucionalmente, obrigados a entenderem-se e nós chamamos a atenção que enquanto não se entendem quem fica prejudicado é a população da Madeira".

José Manuel Rodrigues, reeleito presidente do CDS-PP/M, defendeu "uma Primavera" para a Madeira após 30 anos de poder do PSD-M e definiu os objectivos do partido para o próximo triénio: derrotar a maioria socialista nacional "que está a dar cabo do país"; contribuir para uma mudança política na Madeira "já em 2011" e "iniciar um movimento de esperança e alternativa que regenere a democracia, reforme a autonomia e inicie um novo ciclo económico e social".

A lista para a Comissão Política Regional recebeu, dos 117 votantes, 109 votos a favor e oito brancos.

(www.cds.pt)

domingo, 19 de abril de 2009

As duas Pontes do Séc. XIX acabaram dois séculos depois como ornamento de uma praia poluída...


Se não fosse aquela centena de remadores do Estoril, desejosos de fugirem do Tamariz e do Guincho e ninguém mais por lá se tinha juntado. Antigamente, construíamos pontes e interligávamos as populações... De há 15 anos para cá, isolámos as populações e tudo fazemos para atrasar as pontes...

A visita da candidata do PS às colectividades e associações locais são indignas de um país da Europa Ocidental.

O blog da candidatura PS sublinhou na visita à Associação Juvenil Cistus, que da visita da candidata "resultaram várias ideias, nomeadamente para que a candidata viesse a criar o chamado Ponto da Juventude, um espaço para centralizar toda a informação de apoio aos jovens e respectivas associações...".
Na visita da candidata do PS à Sociedade Recreativa e Musical de Bemposta, esta assinalou “o trabalho meritório aqui realizado por parte desta Associação Juvenil”. São “jovens que dão a cara e que assumem posições de liderança, realizando um excelente trabalho em prol da sua comunidade”.
Realçou a excelente relação com a autarquia e junta de freguesia no apoio dado às diversas iniciativas. Na visita, foi ainda feito um ponto de situação sobre os passos que têm sido dados para a rápida resolução do problema da cobertura do salão de festas.
.
Se no caso da Cistus a "centralização de toda a informação e apoio aos jovens" pode significar o desejo de manipular e controlar as associações a partir da esfera do poder municipal, no caso da Bemposta chega a ser caricata e abjecta a forma imbecil de como refere a nota tendenciosa do blog, de que " foi ainda feito um ponto de situação sobre os passos que têm sido dados para a rápida resolução do problema da cobertura do salão de festas".
Estão a falar da cobertura - de um telhado!
Sublinhando, ainda por cima, a rápida resolução desse problema. O que só pode ser entendido como brincadeira de mau gosto de quem escreveu o blog.
Porque qualquer freguês ou munícipe sabe muito bem que em questões de telhado não há mais passos a dar, senão fazer, antes que chova, e mal as paredes fiquem subidas. Tudo o mais que se diga, só pode ser manipulação e conversa da treta.
A menos que a candidata tenha em mente atrasar a obra mais uns meses para lá para Outubro, com a chegada das primeiras águas, fazer a descarga da telha para que o povo possa estar bem lembrado de quem fez a dádiva...
A dádiva que já tem anos e anos de atraso. Porque não se entende, senão no âmbito da perfídia maquiavélica, como uma colectividade com tantos atributos sociais como os que foram reconhecidos pela representante do poder municipal dos últimos 15 anos, possa ter o seu salão sem um telhado condigno?!
Não havia necessidade de achincalhar mais as necessidades básicas das associações locais.
Depois de mais de trinta anos de poder local, custa a crer como ainda há quem não tenha evoluído o suficiente e persista em mal tratar os munícipes como se estes fossem uns tolos e ignorantes...
Tudo tem um limite!


(http://abrantes-popular.blogspot.com)

CDS QUER CRIAR COMISSÃO PARA AVALIAR COMO ESTÃO A SER GASTOS OS DINHEIROS PÚBLICOS

O presidente do grupo parlamentar do CDS-PP, anunciou este Sábado, que o partido vai propor a criação no parlamento de uma comissão para avaliar como estão a ser gastos os dinheiros públicos no combate à crise económica.

“O CDS propõe a todos os partidos presentes na Assembleia da República que exista uma comissão a funcionar no Parlamento para avaliar o modo como estão sendo gastos os dinheiros públicos em programas de combate à crise e em relação aos quais nós não sabemos quaisquer resultados”, revelou Diogo Feio na sessão de abertura do XII Congresso Regional dos centristas madeirenses.

Diogo Feio acrescentou que essa comissão será também aberta à sociedade civil para garantir a “transparência que tanto é necessária”, medida que considerou “bem melhor do que algumas discussões que não levam a lado nenhum, de propostas legislativas que não dizem rigorosamente nada”.

O líder do grupo parlamentar do CDS-PP na Assembleia da República criticou ainda que, numa época de crise, a fiscalidade em Portugal seja tão alta, a falta de apoios às empresas, o desemprego e as dificuldades sociais.

Defendeu a devolução do IVA no prazo de 30 dias e a atenuação no pagamento especial por conta e da retenção de impostos nos salários.

Diogo Feio garantiu que o partido vai “manter intransigente aquela que é a agenda que os portugueses precisam, a das suas necessidades na educação, na segurança social, na segurança e na saúde”.

Chamou a atenção dos portugueses para manterem “um olhar muito crítico sobre o populismo com que algumas forças partidárias estão a actuar” por ser “provável que, daqui para a frente, continuem a aparecer propostas legislativas que são para ser discutidas em cima das eleições, isto é, são para agradar, não são para funcionar”.

Diogo Feio concluiu ser necessário começar a demonstrar que “cada boletim de voto que for dado durante este ano é uma moção de censura que temos para dar ao engenheiro José Sócrates”.

(www.cds.pt)

CRISE: PAULO PORTAS CONSIDERA "INTERESSANTE" ALERTA DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O líder do CDS-PP, considerou este Sábado, “interessante” a intervenção do Presidente da República, Cavaco Silva, que alertou sexta-feira o Estado para um “maior activismo”, sem “intervencionismos populistas ou voluntarismos sem sentido”, nos problemas sociais.

“Achei interessante”, disse, Paulo Portas no final de uma visita ao Lar da Fundação Nossa Senhora da Esperança, em Castelo de Vide, Portalegre.

“O Presidente da República diz que temos que ter um Estado mais dinâmico do ponto de vista social e eu estou de acordo”, sublinhou.

Segundo Paulo Portas, o Estado deve ser “mais dinâmico” em relação àqueles que perdem o posto de trabalho, mas que querem trabalhar e em relação aos que trabalharam toda a vida, como os pensionistas.

“Ajudar quem perdeu o seu posto de trabalho, já. Ajudar os casais que não têm emprego, já. Ajudar os idosos que têm pensões baixas, já. Agora não me peçam para apoiar financiamentos à preguiça ou financiamentos a quem não quer trabalhar como às vezes acontece, infelizmente, no rendimento mínimo”, declarou.

Sobre os alertas lançados pelo Presidente da República na questão do endividamento público, Paulo Portas mostrou-se também de “acordo” com Cavaco Silva.

“Hoje em dia um bebé nasce em Portugal e já está endividado, relativamente a grandes projectos e grandes obras que não autorizou nem votou”, lamentou.

De acordo com Paulo Portas, o investimento público deverá ser direccionado para a obras de “dimensão pequena e média”, que cheguem “rapidamente” à economia e que tenham efeito sobre “todo o emprego”.

O Presidente da República chamou na sexta-feira também à atenção para a necessidade de criar normas éticas que regulem o funcionamento da economia, uma medida com a qual Paulo Portas disse também concordar.

“Eu tenho falado respectivamente numa economia de mercado com responsabilidade ética. Por exemplo, precisamos de reguladores e supervisores que sejam rigorosos e atentos, que não sejam cobardes nem conformados”, disse.

“O país assistiu ao que assistiu no BCP, BPP e BPN, porque havia gente que cometia fraudes e crimes e porque quem tinha obrigação de os detectar, não os detectou, não quis ser incómodo”, criticou.

Esta situação, segundo Paulo Portas, levou a que “o contribuinte pagasse uma factura elevadíssima”.

De acordo com o líder do CDS-PP, “o país vai pagar 2,5 milhões de euros por fraudes que não cometeu e por fraudes que o Banco de Portugal deveria ter detectado”.

Questionado sobre os últimos episódios em redor do caso Freeport, Paulo Portas simplesmente declarou: “À política o que é da política e à justiça o que é da justiça”.


(www.cds.pt)