Número total de visualizações de página

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Autárquicas: “Escolham gente com contas certa"


O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, apelou, durante a apresentação do candidato do partido à Câmara Municipal de Oeiras, para que os candidatos democratas-cristãos façam uma campanha eleitoral autárquica com sobriedade e trabalho no terreno e sem gastar centenas de euros em cartazes.

"Deem provas da maior sobriedade na ação pública da campanha eleitoral. Queremos respeito por aqueles que estão a passar mal. Devem gastar pouco e ir para o terreno depressa", afirmou, criticando os que têm gasto dinheiro em cartazes publicitários da candidatura.

"Deitam dinheiro à rua com cartazes que custam centenas de euros e que não servem para nada", afirmou o líder do CDS-PP, sublinhando o facto de estas serem as primeiras eleições desde que Portugal pediu resgate financeiro. "Os portugueses já sofreram o suficiente com uma dívida astronómica e um défice alto demais. Escolham gente com contas certas".

Durante a intervenção Paulo Portas reforçou a intenção do Governo de libertar o país da 'troika'. "Esta legislatura começou praticamente com a 'troika'. Esta legislatura só fará sentido quando, no final, a 'troika' já cá não estiver para que a independência seja recuperada", disse, destacando depois algumas das medidas implementadas pelo Governo, como a introdução do IVA de caixa e o aumento das pensões mais baixas, além de assegurar que "o CDS-PP irá cumprir a sua palavra contra a taxa nas pensões".

Paulo Portas elogiou o candidato democrata-cristão à autarquia de Oeiras: "Convidaram um candidato independente. É um casamento feliz pelo futuro do concelho. É uma candidatura especial e eu acho que está em marcha um movimento surpreendente em Oeiras".

Fonte: CDS-PP

Segunda, 03 Junho 2013 00:00

CDS-PP saúda corte na despesa dos ministérios


João Almeida, porta-voz do CDS-PP, frisou esta tarde no Parlamento, em declarações aos jornalistas, que as medidas do orçamento retificativo são essencialmente de corte na despesa dos ministérios, na linha do caminho que os democratas-cristãos defendem para a consolidação orçamental.
“As medidas que são tidas como alternativas e que constam do orçamento retificativo são essencialmente medidas de corte na despesa dos ministérios, caminho que o CDS sempre defendeu como sendo prioritário, o do corte de despesa, para a consolidação orçamental”,.
Quanto a ministérios como os da Saúde e da Educação, João Almeida afirmou que "devem aguentar cortes que sejam cortes de eficiência no funcionamento dos ministérios e que permitam manter a prestação de funções por parte desses mesmos ministérios e fazê-lo com um menor custo. Isso é essencial para que esses ministérios continuem a desempenhar as suas funções e não sejam afetados por cortes nas prestações. O CDS-PP sempre defendeu que essa devia ser a prioridade".
João Almeida recordou que para o CDS-PP, "era fundamental que não houvesse nestas medidas alternativas, aumento de impostos e não há. Registamos até que o orçamento retificativo tem medidas de aumento do benefício fiscal para os contribuintes e surge no quadro de outras medidas que o Governo tem tomado, como o IVA de caixa, o crédito fiscal, que são medidas em sentido contrário em matéria fiscal".
Segundo o porta-voz do CDS-PP, o orçamento retificativo é a "resposta necessária ao Tribunal Constitucional e é uma reposta que vai no melhor sentido possível, neste momento, dados os constrangimentos".
 
Fonte:CDS-PP

Sexta, 31 Maio 2013

domingo, 2 de junho de 2013

Portas pede aos professores que não façam greve nos dias de exames


Paulo Portas apelou hoje aos professores para não fazerem coincidir a greve com as datas dos exames e disse dar "a maior importância" à negociação social e à UGT enquanto parceiro social.

Salvaguardando a legitimidade da greve como direito constitucional, o líder do CDS deixou "um apelo aos professores", ao falar hoje na apresentação do candidato do partido à Câmara de Vale de Cambra, José Pinheiro, que elegeu a Educação como uma das suas prioridades.

"O apelo que faço muita gente compreende: se as greves forem marcadas para os dias dos exames prejudica o esforço dos alunos, inquieta as famílias e também não é bom para os professores, que durante todo o ano escolar deram o seu melhor, para que aqueles alunos pudessem ultrapassar os exames", disse o também ministro dos negócios Estrangeiros.

Na sua intervenção, Paulo Portas enalteceu o papel dos ministros do CDS no Governo e manifestou-se empenhado na paz social, para que Portugal possa ultrapassar a crise, realçando a imagem positiva que o País deu ao conseguir fazer a reforma das leis laborais em acordo social.

"Sou absolutamente favorável a que as dificuldades que estão a penalizar muitas famílias sejam ultrapassadas com negociação social e dou a maior importância a que, sobretudo em tempos de crise, empregadores, trabalhadores e instituições do Estado se empenhem no acordo e não no conflito. É uma linha que tenho defendido desde o início", disse depois aos jornalistas.

Questionado se estava a referir-se à UGT, Paulo Portas considerou aquela central sindical "muito importante" em Portugal.

"A UGT tem uma tradição de saber sentar-se à mesa e de procurar resultados para os seus associados. Quando se faz uma negociação uma parte e a outra têm fazer cedências para se obter um resultado que seja melhor para todos e continuo a acreditar que a UGT é muito importante", disse.
 
 
Além de lançar um apelo aos professores, o líder do CDS defendeu negociações entre empregadores, trabalhadores e instituições do Estado
 
Lusa/expresso/