Número total de visualizações de página

sábado, 12 de julho de 2014

Portugueses já pagaram caro os erros do sistema financeiro


Paulo Portas “Portugueses já pagaram caro os erros do sistema financeiro"

(Económico)

10:43

Com a crise no BES em pano de fundo, o vice-primeiro-ministro defende "economia de mercado com responsabilidade ética".
Paulo Portas não se pronunciou ainda sobre a crise no Grupo Espírito Santo, que nos últimos dias agitou os mercados e centrou as atenções internacionais na banca portuguesa, mas afirmou nesta sexta-feira que "os portugueses já pagaram muito caro erros do sistema financeiro" e disse defender "economia de mercado com responsabilidade ética".
"Nós não acreditamos no Estado como produtor de riqueza e temos receio do Estado como produtor de dívida, mas queremos um Estado que seja um regulador forte e um supervisor eficiente", afirmou o vice-primeiro-ministro durante as comemorações dos 40 anos do partido, que decorreram sexta-feira à noite em Vila Nova de Gaia.
Reafirmando a ideia defendida no arranque das celebrações, no dia anterior em Lisboa, Portas sublinhou que "o CDS nunca foi chamado a governar em tempos de bonança" e que "foi sempre convocado às responsabilidades em situações de emergência". "É muito difícil fazer história no condicional, mas eu admito que se o CDS tivesse exercido responsabilidades em tempo de bonança - como se costuma dizer, em tempo de vacas gordas - eu acho que o país seria mais sustentável, por um lado, e por outro teria havido mais justiça social", acrescentou.
No entanto, afirma, isso não o impede de ter "a ambição de ser um partido maior e de ser um partido posto à prova", capaz de "inspirar, com mais determinação e mais influência, uma certa ideia de país". "Nós não gostamos de ver o nosso país entregue a um sindicato de credores estrangeiros porque houve em Portugal governos irresponsáveis que não souberam controlar o défice nem a dívida", condenou.
Considerando que "o país precisa de governabilidade, que o país tem de ser governável", o líder centrista recorda que o partido "foi formado numa cultura de partilha de responsabilidades". "Nós não temos aquela caricatura de coragem dos partidos de protesto que são tão corajosos, tão corajosos que a única coisa que fazem é protestar, tornam-se profissionais do protesto mas nunca dizem às pessoas o que é que fariam se fossem chamados a governar", criticou.
Paulo Portas aproveitou ainda o discurso para prestar homenagem aos portugueses pelos sacrifícios dos últimos tempos, considerando que o país é hoje "mais livre do que era há um ano". "Eu espero que a sociedade portuguesa seja muito exigente no presente e no futuro e que exija dos responsáveis políticos garantias efectivas de que o que aconteceu em 2011 não voltará a acontecer e que nós não voltaremos a recorrer à dependência do estrangeiro e dos credores e saberemos governar-nos de forma sustentável, razoável e equilibrada".

Sem comentários:

Enviar um comentário